domingo, 20 de junho de 2010

Essa Distância que nos separá


Depois de anos lutando por uma causa que eu nem tenho certeza se vale mesmo a pena, eu começo a sentir a dor da distância e da saudade, já fazia mais de quatro meses que eu não recebia nenhuma carta, e agora que a recebi sinto que aquela dor só aumenta dilacerando o meu coração.
Eu esperava por uma carta de amor, como era de costume da minha doce Julieta, mais agora ela era como um doce de tamarindo, doce no começo e azeda no final, de certa forma algo me dizia que um dia chegaria a carta escrita pela Julieta mais azeda.
As palavras dela martelam na minha cabeça repetidas vezes.
"Querido Eduardo,
Essa Distância que nos separá, já não dá mais para aguentar, vivo de cartas que nem sempre chegam.
De cartas enviadas que nem sempre tem respostas, não posso saber onde você está; o que me deixa mais aflita toda vez que passa no noticiário soldados a morrer.
Já tem anos que você está a lutar por uma causa que eu considero impossível de ganhar.
Não sei se terei retorno a está carta, sei também que ela foi curta e azeda, mais tente ao menos, me dizer se um dia poderei te ver de novo, se vai ser impossível poder te dizer pessoalmente um eu te amo, ou se você irá se realistar e me deixar sozinha por mais alguns anos para lutar em nome da sua tão querida amada pátria.
Beijos, Julieta”




2 comentários:

  1. nossa, que triste :(
    me lembrou querido John..
    bjos**

    http://marcellagiroldo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. É triste mesmo.
    Parece mesmo com querido John

    ResponderExcluir